A primeira das Artes

De todas as artes, a primeira e mais geral é a lógica, seguida da gramática e, por último, da retórica, uma vez que pode haver muito uso da razão sem o falar, mas nenhum uso da palavra sem a razão. Demos O segundo lugar à gramática porque o uso correto da palavra pode ser feito sem adornos; mas dificilmente será possível adorna-lo antes que esteja correto.

Joseph, Irmã Miriam. O Trivium (Educação Clássica) (Locais do Kindle 586). Edição do Kindle.

As preciosas infomações da leitura

“Essa condição desagradável, a “Questão Romana”, ficou sem solução até que Benito Mussolini assinou o Tratado de Latrão, em fevereiro de 1929, no qual o papa renunciava a todas as suas reivindicações aos antigos Estados Papais e recebia soberania total no pequeno Estado do Vaticano.”

(from “História do cristianismo: Uma obra completa e atual sobre a trajetória da igreja cristã desde as origens até o século XXI” by Bruce Shelley, Giuliana Niedhardt)

Start reading it for free: http://amz.onl/3JcuRkK

Felicidade…

“A fraqueza dos homens é tão grande que muito pouco se pode confiar em sua amizade. Eles não são capazes de ver, sem inveja, a felicidade dos outros, ainda que sejam parentes e amigos e a despeito de saberem que tal acontece por graça particular de Deus.” (from “História dos Hebreus” by Flávio Josefo) 

Start reading it for free: http://amz.onl/gpeOLzZ 

Trocamos de caverna ou de pele?

É bem conhecida a alegoria de Platão na qual uma pessoa, acorrentada na caverna da sua realidade com outras pessoas, acaba por libertar-se e, após adaptar-se à claridade da verdade, fica maravilhada e seu contentamento a leva à buscar os antigos companheiros, que continuam na caverna, como num ventre do predador a digeri-los lentamente. Estes, não compreendendo outra realidade, vêm no amigo livre um corruptor da realidade conhecida. A sua opção é fugir para não ser apedrejado. Esse é o fim daqueles que tentam despertar qualquer um para a verdade. Já a serpente tem outra forma de transitar pela realidade. Mudando de pele, o réptil silencioso trabalha nos bastidores e aumenta de tamanho às custas de suas presas que, estagnadas em seu encantamento, tardiamente percebem (ou não) que somente serão subsídios para essa alimentação. A nós, fica a lei da sobrevivência e da escolha, envoltas na retidão ou sedução, no doce ou amargo, na renúncia ou no controle, na acusação ou na graça. A escolha definirá o lado da batalha. Não define a vitória, mas define a morte.